Como dividir o tempo entre trabalho e família com sabedoria

Uma das coisas mais difíceis é fazer a gestão do tempo para que nenhuma de nossas atividades principais sofra. De um lado temos o trabalho, indispensável, cheio de rotinas e urgências que, muitas vezes, não podem ficar pra depois. Do outro lado, temos a família, com necessidades igualmente indispensáveis e urgentes. Quando se tem filhos então… Cada segundo ao lado da família passa a valer mais que um diamante. Como, então, atender as demandas de nosso trabalho sem fazer com que a família sofra, e vice-versa? Descubra lendo esta matéria.

A primeira coisa que você precisa entender é como funcionam suas prioridades. Então se pergunte:

“O que realmente importa para mim?”

Definir seu objetivos antes de qualquer planejamento é indispensável para que você tenha claro aonde quer chegar.

Dinheiro X Tempo

Dizem que tempo é dinheiro, mas na verdade, tempo é vida! O que quero dizer é que, se você comprar algo que não goste, é fácil resolver o problema: basta devolver o produto em questão! Mas o mesmo não acontece quando estamos falando de tempo. Uma vez que você usa mal seu tempo, não há devolução. Normalmente o preço que se paga também é bem alto. Por exemplo: quando você tem filhos e trabalha longas jornadas, de maneira incansável, quase como uma máquina, o tempo passa, os filhos crescem e você… Bem… Você estava ocupado demais para perceber isso. O problema é que um pai ou mãe ausente costuma ter problemas com os filhos no futuro. Afinal… Como você pode cobrar respeito se você não estava lá nos momentos mais importantes da vida de seu filho?

Também não estou defendendo uma atitude relaxada, desinteressada ou preguiçosa no trabalho. Na verdade, o que estou incentivando você a fazer é uma análise conscienciosa de como está usando o seu tempo. Há ocasiões na vida que uma pessoa precisa realmente trabalhar mais do que o normal, como por exemplo: na compra de uma casa, na troca de um carro, quando algum familiar fica doente e os gastos aumentam, etc. No entanto, assim como ser um vagabundo – que não gosta e não quer trabalhar – é péssimo, ser um workaholic – que não faz mais nada da vida a não ser trabalhar – também é péssimo!

Definindo as metas

A palavra chave para definição de qualquer meta é: equilibrio. Se você precisa trabalhar muito devido ao seu momento atual, ok, mas estabeleça um tempo meta para o fim da jornada mais longa. Além disso, lembre-se: nem sempre trabalhar mais horas que o habitual significa proventos maiores. Ou seja, se o caso é promover o aumento da renda, talvez o ideal seja começar um negócio próprio, não aumentar o tempo trabalhando. Digo isso porque apenas um empreendimento seu poderá gerar ganhos escaláveis e talvez seja essa a sua necessidade.

Toda boa meta é dividida em três partes básicas: planejamento, desenvolvimento e avaliação de resultados.

Planejamento

É a fase onde você define comoquando onde quer chegar. Nesta fase você deve pensar em todas as etapas envolvidas na sua meta. Vale usar ferramentas de organização como: mapas mentais, linha do tempo, meta smart, etc.

Desenvolvimento

É o planejamento posto em prática. Também é nesta fase que você faz as correções que precisar para atingir os objetivos traçados na fase anterior. Lembre-se de não se sobrecarregar, ou seja, é melhor cumprir uma etapa de cada vez ao invés de tentar fazer várias coisas ao mesmo tempo.

Avaliação de resultados

Esta fase é de revisão do que foi alcançado. Pergunte-se:

  • Qual foi o percentual que alcancei daquilo que havia projetado?
  • O que deixei de fazer, caso não tenha atingido os 100%?
  • O que deu mais resultado?
  • O que não deu resultado ou deu menos do que se esperava?
  • O que aprendi disso?
  • O que farei diferente da próxima vez?

Lembre-se que, como a ideia é dividir o tempo que você gasta entre o seu trabalho e sua família, então será melhor que você chame seu companheiro (independente de sexo ou orientação sexual) para participar no estabelecimento de suas metas. Além de te dar boas ideias, você poderá contar com seu apoio para cumprir o que planejou. Isto vai te incentivar a seguir em frente, mesmo se encontrar dificuldades. Se for uma meta que afete toda a família e os filhos tiverem idade suficiente para entender o que está acontecendo, então é bom incluí-los também.

A confiança é a base de tudo!

Seja claro ao conversar com sua família, inclua-os nas suas decisões. Certamente tudo ficará mais fácil se todos estiverem cientes do quanto você se importa e os ama. O que muitas pessoas não entendem é que o problema muitas vezes não é o tempo gasto com trabalho, estudo, ou outras atividades, que destroem uma família. Na maior parte das vezes o problema é uma comunicação ruim ou inexistente entre os membros da família. Ou seja, quando os membros de uma família não participam uns aos outros suas aspirações, dilemas e desejos é quase certo que em algum ponto haverá conflitos. O contrário também é verdade. Pais que escutam os filhos costumam não ter problemas com eles mais à frente.

Se você é chefe de família (seja você homem ou mulher, independente da orientação sexual) lembre-se que a responsabilidade pela condução e felicidade de sua família é sua! Suas decisões terão impacto direto neles e isso pode ser muito bom ou se tornar uma verdadeira catástrofe. Você precia conhecer muito bem a personalidade, tanto sua, quanto de cada membro de sua família para tomar as melhores decisões possíveis.

Entenda que não é exatamente o que você faz, mas sim como você faz que assegurará a união e o bem-estar entre todos e, consequentemente isso será traduzido em relações melhores e felicidade para todos os membros de sua família.

Comentários